2.1.18

Passagem de Ano

Este ano fomos de malas e bagagens para o Myriad by Sana Hotels. Não foi mau, mas exige-se mais e melhores condições a um dos poucos hotéis "seis" estrelas em Portugal. 
O quarto era bem decorado, mas pouco espaçoso. A piscina mal dava para cinco pessoas, quanto mais para as cinquenta que por lá vagueavam. 
Resumindo, esta passagem de Ano valeu pela companhia (sim, a do costume), pela vista do quarto - virada para o Tejo, e pela Rústica , num sitio onde nunca desilude.




Tanto de bonita, como de rebenta-pernas!!!

No penúltimo dia do ano de 2016, voltei à praia da Ribeira do Cavalo. E levei uma companhia muito especial, que a dada altura há-de, lá bem no intimo, ter-me insultado vezes sem conta, tal a provação a que foi submetida. Mesmo assim, e apesar de nem sentirmos as pernas depois de tanto sobe e desce, valeu bem o esforço.


1.1.18

Será amanhã, o DIA?

Esta miúda trocou-me as voltas e não veio com o Pai Natal, mas será seguramente a bebé do ano.


2016, Dezembro

Figueira da Foz. 
A  (curta) viagem começou logo com um "pequeno" percalço. Numa das rotundas mais movimentadas cá do burgo, a ignorância de um notável condutor aliada às convenientes e abstractas alíneas do código da estrada, deu origem ao acidente automóvel numero 2 da minha história como automobilista. Nada de grave, acrescente-se, mas já deu para amassar algumas latas e a minha normal pouca paciência.
Ultrapassada esta ocorrência, o resto é descrito pelas imagens seguintes.
Uma maravilha.




Ooooppps!

Quanto tempo já lá vai desde que deixei por aqui algumas letras, e, pensando bem, tanto há por escrever.
Prometo que tentarei recuperar todo este tempo perdido, relatando tudo, ou quase tudo, o que de bom e menos bom aconteceu ao longo destes catorze meses de ausência.

7.11.16

Podia dar-me para pior...

Mas por enquanto o que vai dando é isto. Redescobri alguns dos encantos da Arrábida, entre eles a sua incrível beleza subaquática. Desde então, tem sido mergulhar até mais não, convivendo lado a lado com centenas de peixes de todas as cores e feitios. Num universo só nosso.




5.11.16

Olha, o paraíso está logo ali!

Já lá vão uns dias desde que por lá andei, mas ainda hoje faltam palavras para descrever tudo o que senti na minha ultima visita ao Parque Nacional da Peneda - Gerês. Vim de coração cheio e leve, leve.







11.10.16

Guimarães. Aqui nasceu Portugal.

Um encanto, esta cidade. Desde o centro histórico à simpatia das suas gentes.
Lugar a revisitar, um dia destes.








4.10.16

A história da panela e do testo.

"Para cada panela há um testo"

Cresci a ouvir esta velha lenga-lenga que, para conhecimento, faz referência que para cada mulher há um homem ou vice-versa.
Até há pouco tempo, tinha algumas reservas se seria mesmo assim, mas hoje não tenho duvidas que o é.
Basta que um dos artefactos, a panela ou o testo, seja de ouro, e temos amor na certa.

A minha Lista de blogues